Páginas

sexta-feira, 9 de maio de 2008

O homem e a cidade

O homem não inventou a cidade; a cidade é que criou o homem e os seus costumes.

Guillermo Cabrera Infante

A frase paira no confronto com a urbe. O homem ou a cidade, quem criou quem? Uma questão que se me põe quando, de cachecol e luvas, atravesso a cidade quase despida, uns farrapos de neve sobre o casaco negro, o frio cortante como nunca antes se sentiu. Dor. O frio dói, e, contudo, é bela a cidade. E a frase volta quando ziguezagueando desemboco no Canal Grande e ouço o vociferar dos gondoleiros na manhã ensolarada. Está sol e o sol não dói. A cidade não dói. Quem te criou assim, cidade? Ouço-a de novo no miradouro de Santa Luzia, o casario como um tapete bordado até ao Tejo, palavras de poeta amancebadas com a cidade lá em baixo. Foste tu, poeta, que criaste esta cidade que ouço? E regressa sempre a frase, eterno enigma, que resolvo na tela colorida. Aquela não é a cidade. Não a que vi. Outra cidade, vibrante, um turbilhão cromático, e bela, igualmente sedutora. Foi o homem que inventou aquela cidade.

Wassily Kandinsky, Moscou


A convite da Dobra do Grito, escrevi este post que também pode ser lido aqui. Foi um prazer ser provocada e responder a mais este desafio.

5 comentários:

  1. Ainda bem que veio o convite, porque o texto está óptimo. Para não variar, também! :)
    E também gosto do quadro :)
    Jinhos!

    ResponderEliminar
  2. Obrigada :-)
    Gosto muito do Kandinsky e da Gabriele Münter também.

    ResponderEliminar
  3. muito bom seu texto. poético, lindo
    beijo,
    Martha

    ResponderEliminar

Comments are welcome :-)