Páginas

terça-feira, 18 de abril de 2006

Cofre

Trago dentro do meu coração,
Como num cofre que se não pode fechar de cheio,
Todos os lugares onde estive,
Todos os portos a que cheguei,
Todas as paisagens que vi através de janelas ou vigias,
Ou de tombadilhos, sonhando,
E tudo isso, que é tanto, é pouco para o que eu quero
(...)
Ah, não estar parado nem a andar,
Não estar deitado nem de pé,
Nem acordado nem a dormir,
Nem aqui nem outro ponto qualquer,
Resolver a equação desta inquietação prolixa,
Saber onde estar para poder estar em toda a parte,
Saber onde deitar-me para estar passeando por todas as ruas...
Álvaro de Campos, in Passagem das horas

foto: minha, Maldivas, 2001.

5 comentários:

  1. A foto está linda, parece um postal...

    ResponderEliminar
  2. Ah, olha o paraíso... Em Fevereiro, lua-de-mel tardia, lá estarei! :) ***

    ResponderEliminar
  3. Mas que lugar lindo! E com esses versos conjugados, parece mesmo o paraíso.

    ResponderEliminar

Comments are welcome :-)