Páginas

segunda-feira, 3 de julho de 2006

Crónicas da mercearia

A mercearia da aldeia é um mundo. Gerida apenas por mulheres de gerações diferentes, todas elas, da mais velha à mais nova, com o mesmo despacho, desenrasque, diligência e respeito pelo consumidor, a mercearia constitui um lugar sui generis, palco de aprendizagens diversas e enriquecedoras. Tudo pode ser vendido à confiança, pode lebar à confiança e reclamado caso a qualidade não satisfaça os clientes ó coração, se não for bom, benha cá trocar. O cliente é rei. Eh, pá, não há nada pior pra mim, qué dizer a um cliente que na tenho! confessa a proprietária, embora o desabafo seja raro, uma vez que quase tudo se encontra à venda e, se tal não for o caso, no dia seguinte já o desejo do cliente foi satisfeito. Uma ocasião, procurava pimenta em grão. A rapariga, a filha, ficou aflita, nunca enrrascada, porém. Não havia. No dia imediatamente a seguir e, assim que lá entrei, a rapariga chamou Dona! e sem mais palavras exibiu ufana uma pacotinho de três pimentas em grão. Não resisti perante a consideração do gesto e, mesmo que a pimenta não fosse mais necessária, acabei por sair da loja com ela.
Nas horas de ponta, regra geral entre as onze e as treze aos fins-de-semana, o caos instala-se. Cada um tenta chegar aos pêssegos, alcançar o pão da avó, carinhosamente epítetado pelas filhas, e enquanto isso, entre hortaliças e beringelas, figos e cogumelos, detergentes e farinhas, a conversa corre, salta, flui, voa ao sabor das palavras eufemisticamente despojadas e dos humores muitas vezes femininos e brejeiros, servindo amiúde como remate de acontecimentos recentes ou conclusão dos dias anteriores. Certo dia, numa dessas horas de aperto, o H. encostou-se a uma prateleira para dar passagem à dona, exíguo que se apresentava o espaço disponível. A mulher arremessou-lhe Nã te enerbes, na te enerbes que na te apalpo. Mai nada!
Ontem a conversa rondava em torno da vitória de Portugal sobre a Inglaterra. atão, tás melhor hoje? perguntou uma mulher à feliz proprietária do estabelecimento Eh pá, bocê, nem me diga nada… respondeu a dita. A outra mulher continuou Eu nem podia ber o jogo, eh pá, ca nerbos… Nestes momentos a conversa é alargada aos restantes frequentadores do estabelecimento, caso se mostrem cooperantes e interessados. A mulher olhou para mim à espera de uma qualquer palavra. Sorri e balbuciei algo em concordância. A mulher continuou eu nem bi… a dona prosseguiu Beio cá uma senhora, uma que mora aqui, e fomos comer caracóis e beber imperiais. A outra inquiriu Atão e fechaste a loja? Não, respondeu, deixei cá a nha mãe. E de repente, a conversa virou para o Ricardo, o herói do momento. Terei dito que o Ricardo foi uma peça imprescindível na obtenção desta vitória. A mulher concordou e disse E deram na tebisão, lá da terra dele. Ai, como é que é? Adonde é que ele é? Acrescentei acho que ele é do Montijo. A mulher concordou Ai, é isso, é. E deu aquela gente toda… Agora quando ele boltar é que bai ser... Concordei e, vindo como do nada, a mulher pergunta-me Atão e a mulher dele? Não sei, disse. É que ontem eles falaram da mulher e do filho mas eu na a bi lá… Engendrei uma resposta em auxílio da reputação da mulher de Ricardo. Onde estaria, sim, onde andaria a mulher dele naquela altura? Acrescentei Se calhar, está na Alemanha. Houve muitas mulheres de jogadores que foram para lá. A mulher sossegou Ah, natralmente é isso, natralmente tá lá com ele. Natralmente tá, pensei.

16 comentários:

  1. Natralmente, o que anda por aí pelas revistas é que o menino Ricardo não anda a dar-se muito bem com a mulher, e porque a senhora engordou um bocadinho nos últimos anos....
    Mas eu cá não sou de boatos ;op

    ResponderEliminar
  2. Que boa cronista estás te revelando! Que bom saber que ainda é possível encontrar lugares que fogem da impessoalidade dos supermercados e onde se pode escutar diálogos como esses. Por aqui, nas feiras livres é possível perambular pelas barracas, experimentar a fruta que o vendedor te oferece, provar um queijo, comentar com os feirantes os acontecimentos recentes, aceitar as suas recomendações sobre a qualidade de um determinado produto e por aí.
    E, após a queda da nossa seleção, avante Portugal!

    ResponderEliminar
  3. LOL!
    Natralmente é sempre bom ir à mercearia fazer as compras! Pelo menos ficamos a par das nobidades!

    ResponderEliminar
  4. E eu que não sou de intrigas volto para dizer que afinal, noutra capa de revista vinha que o Ricardo dedicava o jogo à mulher e ao filho.... Já num precebo nada....
    ;op

    ResponderEliminar
  5. Os meus pais tiveram uma mercearia aqui na minha aldeia... foi talvez por isso que resolvi estudar.Ou escola ou mercearia!
    Mas agora, ao ler esta crónica tão bem escrita, senti saudades.:)

    ResponderEliminar
  6. Olá a tod@s!
    Fantasminha, não fazia a menor ideia do que passa com a família do Ricardo e achei que a pergunta se devia à cusquice natural ;-)

    Avenalve,
    Muito obrigada pelo elogio. Aqui a aldeia é uma óptima inspiração para estas histórias. Tenciono continuar a contar estas aventuras, já tenho algumas, mas estava à espera de o texto se estruturar na minha cabeça. Foi hoje.
    Preferia que Portugal fosse jogar com o Brasil :)

    Patrícia,
    A mercearia é um poço de informação e divertimento. Natralmente :)

    Sofia,
    Compreendo bem essa opção ou falta dela. Aqui também acontece isso, mas também tem o efeito inverso. Como os pais vivem relativamente bem, os alunos acabam por achar que não vale a pena estudar, se têm o negócio do pai. Estas histórias são bem engraçadas e admiro muito a sabedoria popular.

    Bjs e obrigada pelas palavras e incentivo à escrita :)

    ResponderEliminar
  7. Foi uma crónica mesmo encantadora, lindíssima, cheia de micro-observações da vida cotidiana que agradaram-me ler, todas embrulhadas numa narrativa que corre como um rio quieto. Escreves tão bem, parabens e thank you again!

    ResponderEliminar
  8. Belo, belíssimo texto, papalagui! Sou filha e neta de lojistas, dos 2 lados da família. Digo lojistas porque nas lojas da minha família, no Alentejo, vendia-se mesmo tudo, de 'pitrol' a milho, de bolacha avulsa a tecidos, de sabão-macaco a enchidos e carne (fabrico da casa, desde o nascimento do porco à sua transformação). Como o Manelinho da Mafalda, também eu me empoleirava ao balcão a atender fregueses, muito séria, a fingir fazer contas em papel de embrulho. Ao ler o teu texto e ao escrever isto sinto ainda o cheiro da loja, e também o cheiro da 'venda' do meu avô materno, aquela estranha mistura de farelos, vinho tinto e tabuleiros de marmelada. Obrigada por esta viagem. Um dia havemos de ler estes textos com lombada e badanas.

    ResponderEliminar
  9. Não preciso das babdanas e lombada, se os meu textos te fazem feliz. Fico comovida. Um beijo

    ResponderEliminar
  10. badanas, claro. Inté fiquei disléxica derivado dos elogios ;-)

    ResponderEliminar
  11. Ah, mas eu cá também voto nas badanas e nas lombadas, ah pois é!!!
    :)

    ResponderEliminar
  12. Sois umas tolitas por acreditar tanto em mim. Se esse dia chegar quero-vos comigo :)

    ResponderEliminar
  13. Também eu voto nas badanas e lombadas e creio que um dia poderá ser verdade...
    Como eu anseio esse dia!

    ResponderEliminar
  14. A minha bisavó falava assim. Tal e qual. Que saudades.

    Gosto tanto de te ler, papalagui!!!

    ResponderEliminar
  15. Hey what a great site keep up the work its excellent.
    »

    ResponderEliminar

Comments are welcome :-)