Páginas

sábado, 22 de dezembro de 2012

Sem resposta

Às vezes pergunto-me o que fazer aos quarenta e sete anos, com vinte e cinco anos de ensino, sem qualquer possibilidade de mudar de profissão, pouca de mudar de país e quase nenhuma além de aguentar a um canto tanta humilhação do país a quem dei duas décadas de trabalho dedicado.

11 comentários:

  1. Há perguntas para as quais não há uma resposta :(

    ResponderEliminar
  2. Querida Leonor,
    pensemos em Algo Mais Alto que nos trasfigure e melhore,
    pela Esperança e pela Saudade: Feliz Natal

    Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada e igualmente! Muitos beijinhos pela visita tão boa :)

      Beijinhos

      Eliminar
  3. Leonor, também te desejo um Feliz Natal, despite it all...
    Proponho, também, algo: não pensemos muito nisto, levemos um dia da cada vez, mantenhamos algum distanciamento... Tal como o Paulo, digo: pensemos em coisas mais altas, que nos elevem. E tal como a Ana, digo: força. Um grande beijinho natalício de alguém que partilha a tua profissão *****

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada pelas palavras, Fátima. Não há nada pior que a desesperança.
      Beijinhos

      Eliminar
  4. Pergunto-me o mesmo mas ainda não perdi a esperança de mudar de profissão ou de país.

    ResponderEliminar
  5. Não sei, honestamente do alto dos meus 45 e a perder o chão, não sei. Ou melhor, sei que a única solução é mudar de rumo.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  6. Aqui no Brasil, eu escreveria sobre o quê fazer a partir dos sessenta anos de idade, onde homens e mulheres simplesmente perdem valor frente a conjuntura de uma política ideologicamente indefinida. Sim, pois políticos (maioria) usam máscaras invisíveis e dificultam saber se de esquerda, centro ou direita. Eu diria que optam pela ideologia maldosa do compadrio.

    ResponderEliminar

Comments are welcome :-)